Como ensinar o cachorro a passear sem puxar a coleira

Para alguns tutores, passear com os cães pode se tornar um verdadeiro desafio. Nesses casos, o que acaba acontecendo, é que os pets acabam puxando demais a coleira e dando bastante trabalho durante o trajeto. Logo, algo que era para ser prazeroso e divertido para o animal e para o tutor, acaba se tornando uma grande dor de cabeça.

Em casos de animais de médio e grande porte, a situação é ainda pior, pois por terem muita força, esses cães acabam puxando demais a coleira e machucando os tutores. No entanto, nem sempre é fácil ensinar o animal e isso requer paciência de ambas as partes.

E se você não sabe como ensinar o seu cão a parar de puxar a coleira, não se preocupe. Neste artigo, nós vamos te ensinar tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Além disso, vamos te ensinar dois métodos que te ajudarão muito durante todo esse processo árduo que será educar seu cãozinho. Por isso, acompanhe até o final!

Métodos para que o cão pare de puxar a coleira

O método do biscoito

Essa maneira de ensinar o cãozinho pode ser a mais efetiva e mais simples para fazer com que o animal entenda que é errado puxar a coleira na hora do passeio. Em média, é necessário um mês com esse tipo de treinamento para que você consiga caminhar com o animal sem que ele puxe a coleira. Confira o passo a passo:

  • Para começar, encha a sua mão com os petiscos favoritos do animal. Em seguida, posicione o cachorro no seu lado esquerdo. Segure os petiscos em sua mão direita fechada bem na frente do focinho dele, a cerca de uns 3 centímetros de distância;
  • Depois, diga “vamos passear”, e comece a andar com o cãozinho. A cada um minuto, dê um petisco na boca do seu pet e elogie-o por caminhar com você em seu ritmo. Caso ele tente puxar você, pare os incentivos positivos;
  • Se seu cão tentar puxar você para a frente ou para o lado, pare imediatamente. Chame a atenção dele o chamando pelo nome. Peça-lhe para se sentar e elogie quando o fizer;
  • Quando ele for capaz de andar na coleira sem te puxar, comece a aumentar gradualmente a distância e o tempo do passeio. Siga todos esses passos até que seja possível caminhar distâncias consideráveis sem precisar recompensá-lo.

O método do sinal verde e vermelho

  • Comece a caminhar com o cãozinho. No instante em que seu cão esticar a coleira e puxar, fale em voz alta: “farol vermelho!”. Pare imediatamente, não dê mais nenhum passo e espere. Quando ele parar de puxar e dar alguma folga na coleira, chame-o de volta para você. Quando ele vier diga-lhe para se sentar;
  • Quando o seu cãozinho sentar diga “muito bem” e lhe dê uma recompensa. Retome a caminhada e fale: “farol verde!”. Se ele estiver caminhando adequadamente e olhar para você, dê a ele um petisco e elogie-o. Nesse tipo de treinamento é essencial incentivá-lo.

Dicas para que métodos funcionem:

  • Até que seu cão aprenda a andar sem te dar trabalho, considere que todos seus passeios serão sessões de treinamento. Mantenha essas sessões de treinamento diariamente, curtas e divertidas para seu amigo peludo;
  • É importante que o tutor entenda que os treinamentos não substituem exercícios físicos. Por isso, encontre outras maneiras de exercitar seu cãozinho até que ele tenha um comportamento adequado para caminhar com a coleira;

Qual a coleira ideal para passear com meu cachorro?

Coleira peitoral

Essas coleiras envolvem o peitoral do cachorro, dando a ele mais liberdade e conforto. Ela é usada em animais de pequeno porte como o Lulu da Pomerânia, o Yorkshire, Shih Tzu, Lhasa Apso e também o Poodle. Esse tipo de coleira também é recomendada para cães braquicefálicos, como o Pug, Boxer e Buldogue. Essas raças muitas vezes possuem um tórax mais proeminente e membros anteriores mais atarracados, sendo a coleira posta no peito a melhor opção.

Coleira de pescoço

Também conhecida como plana, é o tipo mais comum e ideal para cães de porte grande ou gigante. Logo, raças como Pastor Alemão, São Bernardo, Golden Retriever ou Labrador podem se adaptar bem à coleira de pescoço. Ela consiste numa coleira que fica ao redor do pescoço e é usada por cães que possuem um tórax mais estreito horizontalmente e mais alongado verticalmente, muitas vezes ultrapassando os cotovelos. A parte negativa desse tipo de coleira é que ela pode machucar o animal, por isso, tome cuidado durante os treinamentos com ela.

Coleira leader

Essa coleira envolve o pescoço e o focinho do animal. São indicadas para cães de porte grande ou médio e com a estrutura do tórax mais estreito e longo. Mas a principal indicação é para os cachorros que ficam muito agitados durante o passeio. Ao tentar puxar a guia, o focinho do animal é virado para baixo ou para o lado, impedindo o puxão da coleira e reforçando negativamente o comportamento.

O modelo é principalmente utilizado em pets em fase de aprendizado e adaptação de passeios. As raças mais indicadas para este tipo de coleira são: Golden Retriever, Border Collie, Beagle e Corgi.

Coleira martingale

Essa é a famosa coleira de pescoço, um pouco mais grossa e possui um fecho atrás. Ela aperta levemente o pescoço do animal caso ele tente puxar o tutor durante o passeio. Geralmente, ela é usada em cães de corrida, como o Galgo, Dobberman e Whippet, que possuem um tórax profundo, mas estrutura do pescoço delicada. No entanto, pode ser usada em todos os tipos de raça. A coleira martingale é similar ao enforcador, porém menos agressiva e mais confortável.

Coleira enforcador

Usada em raças com estruturas mais fortes e de comportamento agressivo, como Rottweilers, Dobermans e os cães do grupo Pit Bull. Ela ajuda a controlar com mais facilidade o animal. Elas causam um desconforto grande ao apertar no pescoço enquanto o cão puxa a guia. Deve ser usada com muita cautela e apenas durante os treinamentos, pois pode causar lesões sérias na região cervical.

Tentei todos os métodos mas não funcionou, e agora?

Caso as dicas e os métodos não funcionem e o seu cãozinho continue agitado na hora do passeio, talvez treinos de adestramento junto a um profissional possam ser essenciais. Alguns animais ficam muito ansiosos durante a caminhada, logo, com eles, o aprendizado pode ser mais difícil. Por isso, tenha sempre paciência, amor e lembre-se que nem sempre treinar o animal pode ser algo rápido e simples. Boa sorte!

Essa foi uma dica da Ana Luíza Brant diretamente para o seu pet!

Roupas para proteger os cães do frio: qual a ideal e quais raças precisam mais

Quando as temperaturas começam a diminuir no Brasil, os tutores logo ficam preocupados com os seus cães, pois alguns pets dormem no quintal, do lado de fora da casa. É aí que surge a dúvida se é realmente necessário agasalhar e manter os cães quentinhos em dias mais frios. E essa é uma questão importante, pois tudo depende da raça e tipo do animal.

E se você ficou curioso para saber um pouco mais sobre o assunto, não se preocupe. Neste artigo nós vamos te mostrar quais são as raças que precisam de agasalho e quais são as roupas ideais para os cães. Para entender tudo sobre as roupas para proteger os pets do frio, acompanhe até o final!

Os cães realmente precisam se aquecer no frio?

Alguns médicos veterinários afirmam que os cães não precisam de uma camada extra de aquecimento, pois o sistema circulatório do cachorro é o suficiente para que ele consiga lidar bem com o frio. Além disso, muitos cães conseguem lidar melhor com o inverno do que com o verão, por exemplo.

Cães de pelagem longa, como o Yorkshire ou Golden Retriever, não precisam de roupa para se aquecer quando as temperaturas estão baixas. Por mais frio que esteja o clima, apenas os pelos e o organismo do animal são suficientes para ele. Além disso, cachorros que estão acima do peso, mesmo que sejam de uma raça de pelagem curta, também não precisam se aquecer, pois a gordura corporal é suficiente.

As raças de pelo curto, como o Chihuahua e o Cão de Crista Chinês, até podem utilizar agasalhos, desde que você note que, de fato, seu cachorro sente frio. Neste caso, é importante escolher uma peça que não atrapalhe o cachorro a andar, comer e fazer as suas necessidades básicas, por exemplo. Então fique atento!

Outro ponto importante para se levar em consideração é o clima da sua cidade. Se onde você mora a temperatura mais baixa é de até 5 graus, não há necessidade de colocar diversos agasalhos no cãozinho, pois o pelo dele é suficiente. Evite apenas deixá-lo do lado de fora da casa, pois ele pode ficar gripado, por exemplo.

Além disso, se o seu cãozinho nasceu na neve, como o Husky Siberiano e o São Bernardo, não se preocupe com nada. Esses animais conseguem aguentar temperaturas que para nós humanos são impossíveis. Logo, lembre-se que o organismo e a resistência do pet em relação ao frio, é diferente.

Como notar que o animal está com frio?

A melhor maneira de ver se o seu pet precisa de um casaco ou de algum outro tipo de acessório para as baixas temperaturas, é notando se ele está com frio.

O próprio pet vai dar sinais para o tutor de que está sentindo frio, como se enrolar em um canto, ficar mais quieto e buscar ficar sempre junto. Com os cães, se você sentir as patas e as orelhas geladas, significa que estão com frio. Por isso, procure aquecê-lo. Entretanto é importante sempre verificar se ele se sente confortável com o agasalho.

Além disso, corrimentos nasais ou oculares podem ser alguns sintomas de frio e até mesmo gripe. Sempre importante lembrar que resfriado nos animais é bem mais grave do que em humanos. Por isso, se notar algum sinal de gripe, leve o pet com urgência ao veterinário.

Raças que mais sentem frio

  • Chihuahua
  • Cão de Crista Chinês
  • Pug
  • Shih Tzu
  • Pinscher
  • Maltês
  • Pequinês
  • Buldogue inglês
  • Buldogue Francês
  • Galgo Italiano

Qual a roupa ideal para o cãozinho?

Atenção ao material

Uma vez decidido colocar uma roupinha no cachorro, você deve considerar o tipo do material. A lã, por exemplo, pode ser um dos melhores para isolamento térmico. No entanto, não é recomendada para os cães, pois o pet pode ter propensão à alergia ao material. Além disso, a lã é um material difícil de limpar.

Por isso, o melhor material para escolher é a malha e flanela. Esses dois tipos de tecido podem aquecer o animal sem esquentá-lo demais. Além disso, são fáceis de lavar e também secar.

Escolha o tamanho ideal

É importante medir o cachorro antes de comprar uma peça de roupa para ele. O tamanho da roupa é importante para que ele fique confortável. Além disso, não pode ser tão grande a ponto de ficar arrastando pelo chão, nem com partes que possa agarrar em algo e machucá-lo. Do mesmo modo, a roupa do cachorro não deve ser pequena a ponto de restringir o movimento dele e incomodar.

A roupinha de cachorro deve servir de forma adequada, ficando bem rente à pele do cachorro, mas sem sufocá-lo. Lembre-se que o mais importante é o conforto e o bem estar do cachorro. E caso ele não queira vestir a roupa, não force nada. Opte por um cobertor quentinho e deixe que ele deite em cima, as roupas são para o bem estar do animal e não devem estressá-lo.

Cuidado com os detalhes

Outra consideração importante é sobre o tipo de aviamento usado, como por exemplo, botões, zíperes, ganchos e etiquetas. As melhores peças de roupa para cachorro são aquelas que não possuem nada que eles possam mastigar ou engolir. Ou seja, nada que possa se soltar ou ser arrancado. Por isso, avalie bem a peça.

Conforto sempre!

As roupas para cachorro podem sim fazer a diferença para algumas raças. Respeitando as necessidades do cachorro, não há problema em vesti-lo quando necessário. Apenas atente-se em escolher a peça ideal e conte conosco para oferecer o melhor que seu pet elegante merece!

Essa é uma dia da Ana Luíza Brant para o seu Pet!

Roupa para cachorro: os modelos mais comuns e como ajudar seu cão a se adaptar

Alguns tutores são contra colocar roupa nos cães, outros adoram aderir as peças para colocar nos peludos. Mas independente do gosto do tutor, é muito importante levar em consideração como o animal vai se sentir vestido com uma roupa. Alguns cãezinhos adoram, já outros acabam se sentindo extremamente desconfortáveis. Por isso, é importante avaliar e entender como o animal se sente.

Além disso, é necessário entender alguns detalhes importantes, como por exemplo: quando usar, como escolher o tipo de roupa certa, quais são os modelos mais comuns e principalmente como fazer para adaptar o cãozinho à roupa. Por isso, neste artigo, nós vamos te explicar tudo sobre o assunto. Acompanhe até o final!

Quando os cães devem usar roupa?

No geral, os cães devem usar roupas apenas durante o inverno ou em dias em que as temperaturas estão mais amenas. Colocar roupa no animal em dias quentes pode fazer com que ele superaqueça e passe mal. É importante lembrar que os cães possuem pelos e eles, na maioria das vezes, são suficientes para aquecer o animal.

A atenção e cuidado deve ser ainda maior com cães braquicefálicos, tendo em vista que, quando estão com calor, sentem dificuldade para respirar.

Como adaptar o cãozinho à roupa

O animal precisa entender que a roupinha é algo para o bem dele. No início ele provavelmente vai estranhar e não gostar muito da ideia. Por isso, após colocar a roupa no pet, ofereça um petisco e um carinho, ele precisa entender que o acessório não é uma punição e sim algo para o bem-estar dele. E caso ele rejeite e fique estressado, não insista. Os cães não possuem o hábito de se vestir como os humanos.

É preciso respeitar!

O tutor deve ter em mente que ele precisa levar as vontades do animal em primeiro lugar. Logo, se o seu cãozinho demonstra incômodo com a roupa, tire imediatamente. A roupinha deve ser um acessório para dar conforto para o animal e não estresse. Por isso, se ele não gosta, respeite a vontade dele. Caso você insista muito, o animal pode acabar achando que a roupa é uma punição e associará a peça a algo negativo. Tenha cuidado!

Como escolher a roupa certa para o cão?

O tipo da roupa também é muito importante para que o animal se sinta confortável e goste da ideia de usar uma roupa. Logo, é importante evitar tecidos pesados e que possam pinicar e incomodar o animal, como a lã ou tricot. Os tecidos mais escolhidos para roupas de pets são: a flanela, a malha, os de algodão e também o poliéster. Outro ponto importante é evitar roupas que tenham zíperes e outros tipos de penduricalho que o animal pode acabar engolindo, como botões, linhas e outros enfeites.

Além disso, o tamanho precisa ser um pouquinho maior que o cão. Lembre-se que, mesmo com a roupa, os cães precisam expressar seus comportamentos naturais e isso inclui se coçar e se lamber. Uma roupa apertada pode incomodá-lo e fazer com que se esfregue em móveis para tentar tirar. Isso pode deixar o animal estressado e até contribuir para o aparecimento de problemas na pele, como as dermatites.

Tipos mais comuns de roupa para cães

  • Camisetas: As camisetas para cachorro são as mais populares e fáceis de usar, por ser um acessório com um tecido leve. Você pode encontrar blusas estampadas com temáticas de filmes e séries, o que pode tornar o seu pet ainda mais fofo. Opte por camisetas de malha!
  • Casacos: Também existem casacos para cães, feitos com um tecido mais grosso e ao mesmo tempo leve. Alguns possuem forro, outros têm bolso e alguns vêm até com capuz. Contudo, o capuz pode incomodar os bichinhos, por cair no rosto e atrapalhar a visão, por isso, evite este tipo. Para cães muito peludos e braquicefálicos, os casacos não são recomendados pois podem sufocar e superaquecer o pet.
  • Vestidos: Os vestidos acabam sendo também opções bem confortáveis. Mas o vestido para cachorros deve ser feito com um tecido leve e fresco, como a malha. Além disso, evite vestidos com botões ou feitos de tecido duro, pois pode incomodar e até mesmo machucar o pet.Gostou das dicas? Todo o cuidado com seu pet é necessário, por isso, o Pet Elegante tem coleiras, acessórios e roupa para cachorro de qualidade e adequadas para seu cão! Confira!

 

Essas são dicas da Ana Luíza Brant

caudectomia

Caudectomia É Segura? Faz Bem? Descubra Aqui!

A caudectomia, ato de remover cirurgicamente parcial ou totalmente a cauda de um animal, normalmente é realizada em cães para atender a padrões de raças e por motivos estéticos. Porém, ela também pode ser indicada como procedimento terapêutico. A caudectomia realizada apenas por motivos de estética é proibida em diversos países. Isso se deve às diversas complicações a curto e longo prazo.

A maioria das complicações da caudectomia são relacionadas à má aplicação de técnicas cirúrgicas. Contudo, de acordo com um estudo da Faculty of Veterinary Medicine de Karaj, essas complicações também derivam, grande parte das vezes, de infecções oriundas do local onde o procedimento é realizado, que pode estar sujo ou contaminado com bactérias.

A falta das funções naturais da cauda podem até mesmo facilitar o surgimento de doenças transmitidas por vetores nos cães. Isso se deve ao fato de que abanar a cauda é uma das principais formas de afastar mosquitos e outros insetos potencialmente perigosos. Ainda de acordo com o mesmo estudo, devido à vasta gama de complicações que a caudectomia pode causar à qualidade de vida do cão, o procedimento só deve ser realizado quando necessário e recomendado por questões de saúde e executado por um veterinário especializado.

cachorro com coleira e guia na grama

Coleira para Cachorro: Como Escolher o Tamanho Ideal

Nós temos vivido com nossos melhores amigos, os cachorros, por mais de um milênio. Existem ilustrações egípcias de cães usando diversos tipos de coleira para cachorro datando de 3500 a.C. Nessa época, já fazia alguns milhares de anos que humanos e cães conviviam juntos. Mas foi a partir de então que a coleira para cachorro se tornou um instrumento realmente conhecido. Faraós egípcios e proprietários de terras na Grécia utilizavam as coleiras principalmente como forma de identificação e proteção dos cães. Curiosamente, as mesmas funções se mantêm até hoje, e as coleiras para cachorro vêm em diversos tipos e formatos. Porém, se a coleira do seu cachorro não estiver apropriadamente ajustada a ele, seu cão pode estar correndo alguns riscos.

Gato e cachorro com coleira e pingente

Coleira: O Guia Completo para Seu Pet

Se você é novo(a) ao mundo dos pets ou não, a tarefa de escolher uma coleira para seu cachorro ou gato pode sempre parecer difícil. São tantas opções, designs, cores, estampas e materiais! Então como escolher a melhor coleira possível para seu gatinho ou cãozinho? A melhor forma de escolher o modelo ideal para seu pet é dividir esse processo em partes, avaliando cada uma das características da coleira separadamente.

adoção de cachorro filhote

Adoção de Cachorro: 10 Dicas para Se Preparar

Imagem retirada de: www.gpabrasil.com.br

Existem mais de 132,4 milhões de pets nos lares brasileiros, de acordo com estudos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São mais de 52 milhões de cachorros domésticos em todo o território do Brasil. Estudos apontam, ainda, que uma porcentagem significativa dos tutores de cães adotaram seus bichinhos, o que caracteriza a adoção de cachorro como uma tendência cada vez mais forte no nosso país. Mas se você está pensando em trazer um novo membro de quatro patas para a família, é importante ter em mente algumas responsabilidades que um tutor de cachorro deve ter. Listamos 10 das principais atitudes que você deve tomar antes ou logo após a adoção de cachorro.

cachorro perdido grande deitado em calçada

Cachorro Perdido? 10 Dicas para Encontrar seu Pet

Costumamos ouvir muitos tutores que perderam seus animaizinhos sobre não terem qualquer ideia de como encontrá-los. Afinal, como encontrar um cachorro perdido ou um gato fujão? Reunimos 10 dicas ótimas do que fazer se seu pet foge durante um passeio, viagem ou simplesmente sai por aquela porta entreaberta enquanto a visita se despede. Esperamos que você não precise seguir essas dicas, mas se precisar, esperamos que sejam úteis!

cachorro e gato com plaquinha de identificação

Plaquinha de Identificação: 4 Motivos para Seu Pet Ter Uma

A maioria das pessoas concorda que uma plaquinha de identificação é muito importante para a segurança de seus pets. Porém, um estudo do ASPCA (American Society for the Prevention of Cruelty to Animals – ONG norte-americana) revela que a prática é outra. Apenas cerca de um terço dos tutores de pets americanos realmente garantem uma plaquinha de identificação para seus bichinhos. Por que será?

Pingentes para Cachorro e Gato Coloridos com Gravação

Pingente de Identificação: O Que Gravar?

Você decidiu adquirir um pingente de identificação para seu pet, parabéns! Essa é com certeza a melhor escolha para os tutores que zelam pelo bichinho de estimação! Após descobrir a grande importância de ter uma placa de identificação no seu pet, foi preciso pesquisar qual o melhor material para gravar as importantes informações que acompanharão seu bichinho aonde quer que ele vá. Além disso, você precisou escolher a loja para pets ideal para comprar o acessório, o formato de pingente de identificação que mais combina com seu pet, a cor da plaquinha – realmente uma infinidade de coisas. Mas o que gravar no pingente, afinal? Quais informações são realmente indispensáveis para garantir a segurança do seu filhotinho de quatro patas?